sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Artista do Mês: Francis Cabrel

O mês de Outubro é um dos meus preferidos porque coincide com o início do Outono, uma estação do ano que aprecio imenso por causa das cores que veste a natureza, pela temperatura menos quente que se faz sentir, pelo fim da euforia do Verão e o início de um novo ciclo. Há alguns anos atrás, numa aula de música, deparei com uma canção que achei espantosa que foi escrita e interpretada por um dos maiores artistas franceses: Francis Cabrel.

Este cantor nasceu no sul de França em 1953 numa família modesta e foi aos 13 anos que mostrou interesse pela música e mais concretamente depois de ouvir Like a Rolling Stone, um título assinado por Bob Dylan. Para Natal, recebeu uma guitarra por parte do tio e foi a partir deste momento que um jovem artista nasceu ao interpretar canções de Neil Young, Leonard Cohen e Bob Dylan. Com a adolescência, Francis Cabrel começa a actuar em bailes populares com várias bandas até que em 1974, ganhe um concurso organizado por uma rádio em Toulouse, ao interpretar “Petite Marie”.

Depois de ter ganho este concurso, as portas do universo profissional abrem-se para este artista atípico e que o levarão a actuar em vários países e a vender inúmeros exemplares dos seus discos. Um artista atípico em vários pontos. Digamos que se Francis Cabrel fosse um ortónimo de Fernando Pessoa, seria certamente Alberto Caeiro, pois trata-se de um artista cujas raízes estão profundamente enraizadas num mundo rural e simples, o que se pode notar nas suas canções.

Um artista tão atípico que teve direito a ser caricaturado pelos criadores do Contra-Informação Francês o que, para muitos, é considerado como sendo um verdadeiro sucesso. O vídeo que se segue é muito famoso e exemplifica perfeitamente o que acabo de dizer…



Na realidade, Francis Cabrel não é propriamente um dos meus artistas preferidos mas a verdade é que não fico insensível a algumas das suas canções e principalmente à poesia das suas letras e músicas. Uma simplicidade absoluta que mostra a todos os artistas e principalmente aos mais recentes que o talento não é uma questão de efeitos, de barulho ou de complexidade.

Na categoria “Vídeos” poderão comprovar tudo o que acabei de dizer…

0 comentários: