sábado, 23 de julho de 2011

"Calçe que é Nosso"

O nosso Presidente da República é um homem brilhante que sabe como liderar um país e como dinamizar uma economia. Assim, para ajudar Portugal a sair da crise, defendeu por várias vezes a importância do consumo de produtos Made in Portugal. Da última vez, foi no Alentejo onde referiu que ao aumentar “significativamente” a produção agrícola, o país conseguiria “contribuir para a redução da dependência externa” alertando ainda para a necessidade de uma “mobilização nacional” a favor do crescimento da produção agrícola.

Se o Cavaco Silva não fosse Presidente da República, eu votaria nele como Primeiro-Ministro… Estou convicto que lhe bastaria um mandato para ele fazer do nosso cantinho uma super-hiper-mega-ultra-giga potência económica. Mas, esperem um bocadinho, ele já não ocupou este cargo há alguns anos atrás? Hmmm, interessante… Vamos ver o que fez este génio económico e amante da produção nacional.

Na realidade e resumindo, foi com ele que se iniciou a crise com que Portugal se depara hoje, pois foi com Cavaco Silva Primeiro-Ministro que a Agricultura, a Pesca e a Indústria levaram as respectivas certidões de óbito. Será a culpa inteiramente dele? Não, seria injusto dizer isso. Se Cavaco Silva assinou as certidões de óbito, quem as entregou com um sorriso rasgado foi a União Europeia que ofereceu dinheiro para que os agricultores deixassem de cultivar os seus terrenos, os pescadores deixassem de pescar nas águas territoriais e as fábricas deixassem de produzir.

E neste contexto, há algum tempo atrás, tive a oportunidade de ver algo que só se costuma ver no “Portugal no seu melhor”. Tratava-se de uma caixa de sapatos que dizia o seguinte:
Bem, caros amigos da agricultura, das pescas, da indústria, do comércio e outras actividades económicas, eu estou de alma e coração convosco porque sei que não estamos a atravessar um período de vacas gordas. Mas deixem-me dar-lhes um conselho… Se querem ter sucesso, aprendam a escrever ou, no pior dos casos, contratem pessoas que o saibam.

Eu e outros cá estamos para ajudar no que pudermos…

0 comentários: