sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Quando Obama canta...

Quando o Obama canta, o público fica maluco... Tal um Tony Carreira cercado por milhares de fãs do sexo feminino em delírio, o Presidente norte-americano entoou uma canção do Al Green.

Aqui vai este momento raro e genial de televisão...


Agora imaginem, qual seria a reacção do público se o nosso Cavaquinho fizesse o mesmo, ou o Sarkozy, ou a Merkel?

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

As Profissões do Signo Leão


Atividades ligadas a administração, chefia, comando, governo, direção; joalheria e ouriversaria; bolsa de valores; artes em geral; lazer e entretenimento, "show business"; crianças e pedagogia; medicina, cardiologia.

Dono de uma grande capacidade de administração, visão de conjunto e centralização, o leonino é um excelente empresário ou administrador.

Feito para o comando e acostumado ao destaque nas artes, se sai muito bem como maestro, regente de orquestra, solista (instrumental ou vocal).

Não se sente nada à vontade em posições subalternas ou com pouca autonomia.

Possui uma maneira especial de fazer tudo ao seu jeito, com um estilo insubstituível. Pode tornar-se um excelente funcionário que sempre fará o melhor em nome de sua auto-estima. Mas não suporta críticas!

Orgulhoso e vaidoso, precisa de elogios, reconhecimento e promoções. Será sempre leal e capaz de realmente "vestir a camisa" de uma empresa onde trabalhe.

O teatro é outra paixão, afinal ele atua intuitivamente desde a mais tenra infância. Ótimo ator, também pode destacar-se como diretor de cinema orquestrando as cenas de um modo bastante especial.

Possui também uma habilidade, normalmente pouco divulgada, para consertar coisas - recuperar carros, desenferrujar portas, etc.

Adoram também marcenaria, colocar prateleiras, fazer instalações. "Chegado" aos materiais e atividades nobres, pode fazer um excelente trabalho com ouro ou pedras preciosas, criando peças exclusivas. Assinadas, é claro!

Geralmente liga-se ao show business, à área de lazer e entretenimento. É ótimo como organizador de festas e como animador.

Possui grande habilidade como professor, educador e se destaca em qualquer atividade lúdica ou que lide com crianças.

Sou eu :-)

Fonte e mais signos aqui

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Mademoiselle



Como já muitos devem saber, ou deram provavelmente conta, nutro uma grande paixão pela língua e pela cultura francesa. Gosto, nomeadamente, da sonoridade e origem das palavras. Isto também é verdade no caso da língua portuguesa. Aliás, em breve, dedicarei uma crónica especialmente relacionada com este tema. Mas, voltando à questão da língua francesa, decidi falar hoje de um artigo publicado pelo jornal Le Parisien que trata da polémica inerente à palavra “mademoiselle”.

Para quem não está muito familiarizado com a língua de Molière, é conveniente sublinhar aqui a diferença entre “madame” e “mademoiselle”. Assim, enquanto no primeiro termo, a mulher encontra-se casada, o segundo identifica uma mulher solteira. Por sua vez, em termos de uso, é importante salientar que a palavra “mademoiselle” não tem, à partida, qualquer conotação negativa.

Porém, e apesar disso, um conjunto de mulheres decidiu criar um grupo para erradicar esta palavra do dicionário. Na opinião delas, o facto de existir uma caixinha dizendo “mademoiselle” nos formulários da administração pública é algo que se tornou inaceitável. Argumentam esta posição ao afirmar, e com razão, que esta distinção é apenas válida para as mulheres. De facto, hoje em dia, não existe na língua francesa, um equivalente ao termo “mademoiselle” para os homens. Em consequência, acreditam que se trata de uma intrusão nas suas vidas privadas bem como um factor disciminatório.

Legalmente, em França, não existe nenhum dispositivo que imponha o uso deste título. E, segundo o mesmo artigo, este aspecto não se observa nos nossos vizinhos europeus. Assim, os termos “Miss”, “Fräulein” ou “Señorita” são apenas formas de tratamento e não identificadores sociais. Por sua vez, no Québec, o mesmo termo é considerado como um insulto. Variantes...

Na génese desta questão, parece-me que urge a necessidade de aplicar medidas que promovam a igualdade entre ambos os sexos. Porém, e atendendo ao facto de que “mademoiselle” não é uma obrigação legal, não entendo muito bem o porquê desta polémica. De facto, ninguém proíbe colocar uma cruz no sítio que diz “madame”. Ou estarei eu errado?

Porém, agradecia que não eliminassem esta palavra do dicionário porque, sinceramente, acho-a linda. Longe de ser um insulto, eu acho que se trata de uma palavra sedutora e agradável de se ouvir. Aliás, quantas e quantas vezes, muitas mulheres corrigiram-me quando as tratei por “madame” e pediram-me energicamente para as tratar por “mademoiselle”. Por algum motivo será…

domingo, 1 de janeiro de 2012

Artista do Mês: Frank Sinatra


Para o primeiro “Artista do Mês” de 2012, decidi que seria de bom-tom começar o ano com um colosso da música internacional. E, assim, optei por um cantor carismático e fora de série, cuja voz é inconfundível: Frank Sinatra.

Eu já sei o que alguns devem estar a pensar mas é verdade, tanto ouço música Rock como Jazz ou ainda música clássica. E, sinceramente, tenho orgulho nesta diversidade de estilos musicais. No que diz respeito a Sinatra, só vos posso dizer que sabe bem ouvir aquela voz, principalmente depois de um longo dia de trabalho. Não há nada como sentar-se no sofá, ter um copo na mão (de preferência com uma bebida alcóolica dentro), pôr um CD dele a tocar e desfrutar. Meus amigos, acreditem, isto é um momento de puro prazer.

Mas, voltando ao assunto principal, convém apresentar o Artista como merece. Assim, Francis Albert Sinatra nasceu no dia 12 de Dezembro de 1915 em New Jersey e faleceu em Maio de 1998 em Los Angeles. E, no caso de alguém não saber quem é Frank Sinatra e ter dúvidas em relação ao seu pedigree, fica aqui o registo de vendas de discos: 150 milhões. Querem melhor?

Contudo, a carreira de Sinatra não deve ser vista apenas de um ponto de vista musical, como também de um ponto de vista cinematográfico. Afinal, estamos a falar de um artista que actuou em tempos totalmente diferentes. Enquanto, hoje, um “artista” dá nas vidas num concurso televisivo, nos anos 30 era preciso suar. Ou, como diria uma senhora aqui da terra, “é preciso comer muita broa”… E, naquele tempo, a noção de “cantor” tinha uma certa nobreza. Uma nobreza que abria as portas de Hollywood e da celebridade como foi o caso para outros artistas daquela geração.

Em consequência, nos anos 30, Frank Sinatra começa a criar a sua identidade musical ao actuar com vários músicos, tal como Harry James ou Tommy Dorsey. Só mais tarde, nos anos 40, é que o cantor começa a actuar a solo. É assim que em 1943 Sinatra se produz no Paramount Theatre de Nova Iorque e, no seguimento deste espectáculo que foi um grande sucesso, será contratado para aparecer num filme.

Entre 1943 e 1952, ao assinar um contrato com a Columbia, cerca de 300 canções serão gravadas. Em paralelo, a carreira cinematográfica ganha impulso quando assina um contrato com a MGM, o que o leva a desempenhar o papel principal em vários filmes como Higher and Higher, Step Lively, ou ainda Anchors Aweigh. Naquele momento, Sinatra foca-se apenas no cinema, o que tem consequências muito positivas. Assim, em 1945, o rapaz de New Jersey realiza e interpreta uma curta-metragem que será premiada com um Óscar.

No início dos anos 50, Sinatra volta a cantar, escrevendo e interpretando a canção I’m a Fool to Want You dedicada à sua melhor na altura, Ava Gardner. É ainda nesta altura que Sinatra assina um contrato com a editora Capitol, um período que corresponde ao auge da sua carreira musical, composto por centenas de canções. Porém, o cinema nunca é deixado de lado, pois em 1954, Sinatra recebe um segundo Óscar para a sua interpretação no filme From Here to Eternity.

Em 1956, é gravado o título I’ve Got You Under my Skin que é uma das canções mais conhecidas do artista. A seguir, seguem-se várias aparições em diferentes filmes onde Sinatra costuma cantar vários títulos. Em 1961, o artista cria a sua própria editora e é neste contexto que serão lançadas as canções Strangers in the Night e My Way.

Apesar dos anos, Sinatra continua a cantar e a colaborar com alguns dos maiores artistas da actualidade como, por exemplo, Aretha Franklin ou os U2. Este final de carreira de cerca de 60 anos será selado em 1995 com um último concerto em Tokyo.

Para além dos aspectos musicais, Sinatra é também conhecido pela sua vida sentimental atribulada e seria claramente insultá-lo acabar este post sem falarmos sobre as suas conquistas femininas. No total, Sinatra teve quatro esposas e vários filhos. Nancy Sinatra, por exemplo, optou por seguir as pisadas do pai. É com ela que Sinatra intepreta a canção Something Stupid. Frank Sinatra Jr, por sua vez,  optou também pela música e tornou-se chefe de orquestra.

Mas, para resumir e concluir, nada melhor do que ouvir as músicas aqui ao lado.